MERCADO

Bitcoin como moeda de El Salvador e o FMI

Tempo de leitura: 2 minutos

O movimento por parte do presidente de El Salvador, Nayib Bukele, para tornar seu país o primeiro do mundo a adotar oficialmente o Bitcoin como moeda legal, gerou preocupações sobre as perspectivas de seu programa com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

A principal autoridade comercial de El Salvador disse que o dólar americano continuaria a ter curso legal, ressaltando que as transações de Bitcoin seriam opcionais e vinculadas à taxa de câmbio do dólar. Isso poderia complicar ainda mais o país da América Central em buscar um programa de mais de US$ 1 bilhão com o FMI. Em maio, o partido de Bukele prejudicou as relações com Washington ao destituir cinco juízes e o principal promotor da Suprema Corte.

“A capacidade de realizar operações cotidianas com o Bitcoin não deve despertar preocupação”, disse em entrevista coletiva o minístro de Comércio e Investimentos, Miguel Kattan. Ainda assim, alguns analistas veem problemas com a mudança para o Bitcoin.

“Tweets recentes do president Bukele para adotar totalmente o Bitcoin como moeda legal provavelmente complicará e atrasará ainda mais as discussões técnicas do FMI”, disse Siobhan Morden, chefe de estratégia de renda fixa da Amherst Pierpoint Securities da América Latina.

Conheça a CoinBene

A economia dolarizada de El Salvador depende muito do dinheiro enviado de volta por trabalhadores expatriados. Dados do Banco Mundial mostraram que as remessas para o país representaram quase US$ 6 bilhões ou cerca de um quinto do PIB em 2019, uma das taxas mais altas do mundo.

A chefe de missão do FMI em El Salvador, Alina Carare, disse na noite de segunda feira que o fundo está “acompanhando as notícias e terá maiores informações na medida em que continuarmos nossas consultas com as autoridades”.

Em paralelo a estes acontecimentos, iniciativas tecnológicas relacionadas vem sendo discutidas publicamente, a exemplo do projeto da empresa Blockstream que viabilizará internet via satélite para os residentes de El Salvador, bem como recente anuncio de Justin Sun – fundador e CEO da TRON,  empresa de blockchain com foco em internet descentralizada – onde disse que sua empresa seria “a primeira organização de criptoativos” a estabelecer um escritório em El Salvador.

COMPARTILHAR
Notícias relacionadas
Relatório atualizado da FCA revela que 2.3 milhões de britânicos possuem criptomoedas
Trade de criptomoedas sem licença é contra a lei, diz Camboja
Taxas de criptomoedas podem ser mais atrativas que as bancárias?
Taxas de criptomoedas podem ser mais atrativas que as bancárias?