SEGURANÇA E TECNOLOGIA

Governo chinês apresenta ranking mensal dos melhores blockchains

Governo chinês apresenta ranking mensal dos melhores blockchains
Tempo de leitura: 1 minuto

O Centro de Pesquisas do Ministério Industrial da China (CCID) realiza um levantamento mensal para verificar quais são os melhores blockchains do mercado.

Segundo a pesquisa para o mês de janeiro, o EOS permance na liderança do estudo chinês, posição que ocupa desde junho de 2018. Completam o top 3 dos melhores blockchains Ethereum (ETH) e Ontology (ONT).

O estudo do CCID analisa as criptomoedas, seus blockchains e considera as seguintes métricas: aplicabilidade, fundamentos tecnológicos, usabilidade no mundo real e nível de inovação.

Ativo mais famoso do mercado, o Bitcoin (BTC) se saiu melhor nesta edição do levantamento, subindo do 18º lugar para a 15ª posição entre 34 ativos pesquisados. Já o Bitcoin Cash (BCH) ocupa a 28ª colocação do estudo.

Conheça a CoinBene

O XRP, token da Ripple, aparece na 20ª posição. Porém, o ativo pode se destacar nas próximas edições da pesquisa, já que a empresa assinou uma parceria para pesquisas com uma grande universidade chinesa.

Sabe o que é blockchain?

Em apenas uma frase podemos defini-lo como uma tecnologia que dá segurança e confiabilidade à troca e ao armazenamento de informações entre participantes de uma rede, sem a necessidade de intermediários ou de uma entidade centralizadora.

Resumindo ainda mais, blockchain é como um livro registro que guarda informações de forma segura e inviolável. Entendeu? Ainda não? Então clique aqui e saiba mais!

Conheça a CoinBene

Temos diversos ativos digitais em nossa plataforma e te ajudamos a conhecer o mundo além do Bitcoin.

Cadastre-se grátis em nossa plataforma e vamos aos negócios!

COMPARTILHAR
Notícias relacionadas
Com queda do mercado, mineradoras encerram operações
Mineradoras encerram operações com recentes quedas do mercado
Internet of People (IoP) terá par com Bitcoin
Atualização do par de negociação da IoP: confira aqui
contas hackeadas
Estudo: invasões em operações de criptomoedas aumenta 300%