SEGURANÇA E TECNOLOGIA

Conheça os tipos de papers do mundo das criptomoedas

Papers
Tempo de leitura: 3 minutos

O universo dos ativos financeiros digitais tem características peculiares e alguns termos não muito usuais. Por exemplo, você já deve ter ouvido falar em “white paper”, mas temos quase certeza de que não faz ideia do que isso significa.

O white paper é um documento que descreve os aspectos técnicos de uma criptomoeda de forma clara, apresentando os problemas que ela deve solucionar e como abordá-los, a descrição da estratégia de geração e distribuição do token, além de mostrar quem são os responsáveis pelo projeto.

Resumidamente, podemos dizer que, ele é um plano de negócios, misturado a um manual técnico e um plano de marketing.

Misturinha boa

Contudo, não pense que é só combinar essas informações em um papel e achar que isso é um white paper. Esse documento é incrivelmente complexo e pouquíssimas pessoas qualificadas para escrevê-lo de maneira a garantir o entendimento dos entusiastas.  

Conheça a CoinBene

Os white papers devem conter:

  • O problema existente no mercado
  • A solução e a produto
  • Os concorrentes e o tamanho do mercado
  • Informações-chave para o investimento
  • Explicação técnica do token e casos de uso
  • Cronograma para desenvolvimento do projeto e lançamento
  • Estratégia de ICO (quantos tokens no total, número de unidades emitidas, distribuição, limite de mercado, fases de liberação de tokens, processamento de pagamento, implantação de token, etc)
  • Aspectos legais do ativo
  • Equipe responsável
  • Estratégia de marketing

Depois que um whitepaper adequado é criado, sua equipe de desenvolvimento pode trabalhar na construção do produto, enquanto o lado comercial pode falar com possíveis investidores tendo um discurso consistente mesmo antes do lançamento da campanha de ICO.

Agora que você entendeu o que é um white paper, podemos evoluir e conhecer o blue paper.

Blue paper

O blue paper é um documento que estabelece especificações técnicas de uma tecnologia.

O termo foi usado pela primeira vez na Alemanha e é um modo de distinguir documentos de política e procedimentos (white papers) e dos registros que descrevem apenas especificações técnicas e descrições de novas tecnologias ou equipamentos.

A preparação

Criar um blue paper não é uma tarefa simples, uma vez que antes de fazê-lo você deve coletar todos os aspectos técnicos de uma nova tecnologia (o que é, como pode ser útil, quais são as possíveis implicações, etc) ou os detalhes de um novo equipamento (componentes, principais recursos, usos e etc).

O esboço geral deve conter:

  • Introdução: breve descrição da tecnologia ou equipamento
  • Características: apresentação dos parâmetros e o escopo da nova tecnologia ou recursos funcionais do equipamento que está sendo discutido
  • Usos: como a nova tecnologia ou equipamento pode ser usado
  • Implicações: que efeitos a nova tecnologia ou equipamento terá na sociedade ou na indústria

Os blue papers são escritos com riqueza de detalhes, pois são utilizados principalmente por pessoas do ramo e não pelo público em geral. Entretanto, mesmo que o documento seja destinado a experts do setor, termos técnicos e novos conceitos devem ser explicados para garantir o entendimento.

Acha que acabou? Falta mais um tipo de paper: o yellow.

Mais uma cor

Recapitulando, o white paper é um documento que aborda aspectos técnicos, mas de uma forma mais genérica. O blue paper fala exclusivamente de detalhes dessa tecnologia, ou seja, é ainda mais complicado que o primeiro. Isso quer dizer que o yellow paper é mais difícil ainda de entender? Sim, com certeza.

O yellow paper é feito para desenvolvedores seniors, pois tem uma linguagem formal/específica que só é decifrada por quem tem um grande conhecimento em programação e matemática, ou seja, é complexo.

Ele é projetado exclusivamente para especialistas em protocolos low level. Resumidamente, trata-se de uma “bíblia matemática” para quem entende das entranhas de uma tecnologia.

Os entusiastas do universo das moedas digitais costumam brincar que quem lê e compreende um yellow paper assume para o mundo que é um gênio ou no mínimo, uma pessoa muito dedicada a desvendar o potencial dos criptoativos.

Em suma, o yellow paper é projetado para desenvolvedores experientes, então se esse não for o seu caso será muito difícil entendê-lo. Na maioria dos casos, ele é um documento que contém pesquisas que ainda não foram formalmente aceitas ou publicadas em veículos acadêmicos.

COMPARTILHAR
Notícias relacionadas
Melhor e mais rápido: conheça o Lightning Bitcoin
Primeiro leilão de arte via Blockchain terá obra de Andy Warhol
TrueChain, tecnologia voltada para publicidade digital