MERCADO

Sul-africanos queriam ter conhecido ativos digitais antes, diz estudo

Tempo de leitura: 2 minutos

Uma pesquisa feita na África do Sul revelou que 38% dos entrevistados se arrependem de não ter começado a investir em moedas digitais antes.

O levantamento organizado pela Old Mutual Limited quis saber qual seria o grau de conscientização das pessoas e as atitudes em relação às criptomoedas no país.

Outros 71% disseram concordar com a afirmação “Você pode ganhar muito dinheiro neste mercado”. Entretanto, 53% dizem não entender como os ativos digitais funcionam.

Em termos de conscientização geral, 40% dos entrevistados responderam que estavam cientes em graus variados sobre o mercado de moedas digitais, enquanto 60% disseram que não estavam cientes das criptomoedas.

Conheça a CoinBene

Em outros países

Em comparação com a Europa, Austrália e os EUA, uma pesquisa conduzida pela empresa de pesquisa Ipsos em nome do ING Bank BV revelou que 66% dos europeus ouviram falar sobre criptomoedas, enquanto 33% concordaram com a afirmação de que a criptografia é o “futuro do comércio on-line”.

A parcela de conhecimento sobre criptografia é igual ou superior a 50% em todos os países pesquisados, com as taxas mais altas sendo verificadas na Áustria (79%) e na Polônia (77%). Nos EUA, 57% dos entrevistados ouviram falar dos ativos financeiros digitais.

Enquanto o público em geral na África do Sul mostra uma postura mais positiva em relação às moedas digitais como uma forma alternativa de investimento, o banco central do país escolheu chamar moedas digitais de “cyber-tokens” porque “não atendem aos requisitos do dinheiro”.

A instituição financeira estabeleceu uma força-tarefa para revisar sua posição em relação às criptomoedas privadas e abordar questões regulatórias a fim de desenvolver uma estrutura de políticas e um sistema regulatório relevantes.

Em maio, a polícia da África do Sul investigou uma suposta fraude no investimento em criptomoeda, com mais de 28.000 investidores sofrendo perdas superiores a US$ 80,4 milhões. De acordo com a Hawks, uma unidade investigativa da Diretoria para Investigação de Crimes Prioritários da África do Sul, “acredita-se que pessoas foram encorajadas pelos agentes da BTC Global a investir com promessas de 2% de juros por dia, 14% por semana e 50% ao mês. Os pagamentos foram seriam feitos toda segunda-feira. Alguns dos investidores foram pagos em termos do acordo. No entanto, os pagamentos pararam de repente”.

A investigação ainda não foi concluída.

COMPARTILHAR
Notícias relacionadas
Caça a Satoshi Nakamoto ganha força com crowdfunding
ICOs
ICOs arrecadam bolada entre 2017 e 2018: saiba mais
Criador do Litecoin trabalha para deixar moeda mais fungível
Criador do Litecoin trabalha para deixar moeda mais fungível